Postagem por: Carolina

Foi revelado nesta segunda-feira (08) que Lily Collins é a estrela da edição de Novembro da S/ Magazine. Além de estampar a capa, ela concedeu uma entrevista acompanhada de um belíssimo ensaio fotográfico para o veículo. Confira a tradução da matéria na íntegra:

A Escandinávia, com toda sua extensão pastoral, é uma região com potencial infinito para descobertas, então, parece apropriado que a aventureira Lily Collins e seu marido, Charlie McDowell, tenham escolhido este destino para sua lua de mel.

Falando pelo Zoom da Noruega, a atriz e produtora emergente está exultante por passar sua fuga pós-nupcial explorando ativamente novos terrenos, tanto geográficos quanto culturais. “Foi uma excursão gastronômica imersiva e envolvente pela natureza pela Escandinávia. Ainda estamos aqui experimentando a terra, e é completamente mágico”, ela admite alegremente. Em vez de ir para uma paisagem marinha isolada para se bronzear nos raios do sol, Collins queria fazer parte de “algo maior do que nós e ter memórias de experiências que nunca pensamos que poderíamos ter”, riscando algumas coisas da sua lista no processo.

Alguém poderia suspeitar que celebrar um casamento durante uma pandemia também seria um empreendimento surreal, no entanto, para Collins, era tudo o que ela poderia ter esperado. Embora certas precauções sejam inevitáveis ​​ao fazer uma reunião de qualquer tipo, isso não afetou a atmosfera feliz da cerimônia nem atrapalhou sua aura de celebração. “É exatamente como eu gostaria que fosse”, diz ela. “Nós dois nos sentimos muito sortudos por ter pessoas ao nosso redor – nestes tempos, isso é o mais importante.” A intimidade superou o espetáculo, permitindo que um grupo unido de entes queridos celebrasse este marco na vida do casal.

Além de planejar um casamento e a lua de mel, Collins usou esse tempo de pandemia global para se reconectar com a natureza e aprender a surfar, cortesia de seu marido. “Ele foi um ótimo professor e foi muito divertido sair e tentar algo novo”, ela revela. “Também existe a possibilidade de falhar miseravelmente e publicamente, o que você nem sempre quer quando se é adulto, mas foi uma experiência muito divertida para mim.”

Collins também diversificou seu currículo quando foi possível fazê-lo com segurança. “Fomos capazes de fazer um filme durante a pandemia, o que foi uma experiência muito interessante. Foi muito divertido ser criativa com um pequeno grupo de pessoas”, diz ela. Windfall, um filme noir hitchcockiano dirigido por McDowell, mostra Collins estrelando ao lado de Jason Segel e Jesse Plemons, assumindo o papel de uma mulher que, junto com seu marido, chega à uma casa de férias enquanto um assalto está acontecendo. O filme está com lançamento pendente na Netflix e é outra adição à sua relação de trabalho com o streaming.

No entanto, a colaboração de maior perfil entre Collins e Netflix é certamente a série de comédia arrebatadora Emily em Paris. Dirigido por Darren Star, o mentor por trás de Sex and the City and Younger, a narrativa centra-se na difícil assimilação da personagem titular na capital francesa como uma americana. Como uma profissional de marketing imaginativa em uma boutique parisiense, Emily luta com hesitação, antagonismo constante de seus colegas de trabalho e as dores de viver com as barreiras culturais e de idioma firmemente no lugar.

Em vez de se encolher sob pressão, Emily permanece destemida, com seu caminho ileso. Como uma ávida defensora do anti-bullying, Collins reconhece um admirável senso de autoestima na maneira como Emily lida com a animosidade desenfreada que visa destruí-la. Esteja Emily suportando a torrente de insultos lançados contra ela ou tendo sua experiência de marketing constantemente questionada, Collins elogia a capacidade de sua personagem de permanecer vulnerável e resiliente. “Ela não permite que o fato de muitas outras pessoas não a aceitarem imediatamente a impeça de persistir em seu trabalho. Ela também mostra como fazer perguntas e pedir ajuda é uma força, não uma fraqueza.” Collins também está particularmente encantada com a autenticidade intransigente de Emily, observando como a equipe de produção escolheu conscientemente não filmar uma cena em que ela “entra em um camarim e Emily de Chicago aparece como Emily em Paris. Queríamos reiterar o fato de que ela é assumidamente ela mesma. Ela apenas aprende e cresce, pega pequenos pedaços das pessoas que encontra, bem como da cidade em que está morando agora, e os adiciona à sua bússola moral, guarda-roupa e personalidade já estabelecidos.”

O guarda-roupa peculiar de Emily, com todos os seus tons vibrantes e estampas gráficas, é um testemunho da habilidade de estilista única da figurinista Marilyn Fitoussi e da consultora de figurino Patricia Field (famosa por Sex and the City).

Para cada personagem, Fitoussi e Field criaram um ambiente de trabalho colaborativo que permitiu que os gostos e visões pessoais dos atores impregnassem suas roupas com camadas de nuances. “Nossas provas acabam durando horas e horas, porque conversamos sobre cada roupa, as cores e a forma como se ajustam ao nosso corpo”, revela Collins. Roupas vintage, solicitações específicas de estilistas e roupas e acessórios pessoais são maneiras de o elenco personalizar suas personas na tela, dando-lhes uma identidade visual mais complexa. No entanto, isso não significa que o je ne sais quoi de Emily seja uma cópia dos gostos de Collins. “Mesmo que a moda de Emily e a minha sejam muito diferentes, ainda há partes de mim nisso”, ela admite. Enquanto Emily pode preferir usar sapatos de salto alto nos tons regulares e esportivos de néon com autoconfiança, Collins é capaz de “zombar de mim mesma em algumas dessas roupas, porque ela realmente vai com tudo ou vai para casa de várias maneiras que eu provavelmente não faria isso, mas é muito divertido fazer isso como Emily.”

Com uma segunda temporada com luz verde pela Netflix para estrear em dezembro e o retorno ao set no início deste verão, Collins estava feliz por se reunir com o elenco e a equipe. Tendo assumido o papel de produtora durante a primeira temporada, ela teve a chance de afirmar mais uma presença nos aspectos de desenvolvimento e criativos da série. “Eu senti que era capaz de usar minha voz e fazer perguntas e me sinto capacitada para fazer mudanças, sendo parte do processo de uma forma que eu não acho que deveria ter permissão para fazer.” Isso incluiu “trazer muito para a mesa em termos de ideias e mudanças, os personagens que eu queria explorar mais e os elementos de Emily que eu queria poder mostrar com fantasias, locações e elenco, a coisa toda”.

Embora claramente enraizada nas experiências pessoais e profissionais do personagem titular, a segunda temporada permite perspectivas e histórias mais diversas. Collins está animada sobre como a narrativa centraliza a camaradagem feminina entre Emily, Camille e Mindy, e como nutre o relacionamento entre Emily e sua chefe Sylvie, que tem a chance de gradualmente aquecer seu subordinada americano. “Estou animada para que todos se sintam mais envolvidos com os outros personagens, já que eles merecem”, revela Collins, aludindo a como uma multiplicidade de vozes e experiências dará ao programa uma sensação maior de universalidade. Até mesmo o guarda-roupa de Emily passa por uma ligeira transformação à medida que ela se aclimata ainda mais com a cultura francesa, puxando pistas do cinema New Wave para uma estética mais parisiense.

De acordo com as raízes escapistas do programa, uma coisa que a próxima temporada não abordará é a pandemia atual, já que ela existe conscientemente em um reino fora da realidade cotidiana. Collins observa como, após as filmagens da primeira temporada, ela e o resto da equipe “não sabiam que a série seria lançada durante uma época em que as pessoas precisavam rir e lembrar como era a diversão. Ficamos muito gratos por oferecer isso quando as pessoas mais precisavam.” No entanto, isso não impede sua capacidade de aumentar a conscientização sobre outras questões sociopolíticas que estão diretamente relacionadas às experiências de Emily como indivíduo. A primeira temporada tratou criativamente de questões relativas ao olhar masculino, a objetificação das mulheres e a dismorfia corporal. Collins afirma que “é importante abordar esses tópicos e promover os tópicos que foram levantados na primeira temporada de uma forma que não pareça alienante, mas pareça coloquial”, enraizando a narrativa na “experiência de Emily em Paris, com essas pessoas, e como ela digere informações e aborda situações enquanto supera obstáculos. Ela fala e usa sua voz, e isso só aumenta na segunda temporada.”

Além de seus papéis na televisão, Collins está trabalhando duro para lidar com as tarefas de produção do próximo filme live action da Polly Pocket, que será escrito e dirigido pela criadora de Girls, Lena Dunham. Embora o filme ainda esteja em desenvolvimento, Collins também protagoniza esta adaptação, que se apresenta como uma forma nostálgica de entretenimento para quem cresceu obcecada por esses brinquedos e ao mesmo tempo convida uma nova geração a ficar paralisada por Polly Pocket. “Elas ainda são tão relevantes”, ela exclama, “mas também há espaço para criar novas histórias e construir a história da marca.”

Enquanto fotografava para esta capa, Collins ficou pasma com o cenário, uma grande propriedade californiana onde ela estava animada para “interpretar uma personagem”, talvez uma dona de casa abandonada ou uma estrela melancólica exausta pela fama? É preciso um contador de histórias curioso para transformar uma sessão de fotos de moda em um estudo de personagem contado por meio de pantomima, o show business é certamente uma coisa natural para Collins.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2021 > S/ MAGAZINE

LCBR0001~11.jpg
LCBR0002~11.jpg
LCBR0003~11.jpg

Tradução & Adaptação: Equipe LCBR

Fonte: S/ Magazine

publicado em: 08.11.2021 | Destaque Emily in Paris Ensaios fotográficos Entrevistas Filmes Notícias Polly Pocket Polly Pocket Revistas Windfall
DESENVOLVIDO POR lannie d. - Hosted by Flaunt Network © 2021 - Lily Collins Brasil